Possíveis lesões no coração causadas pela hipertensão

A hipertensão não tratada pode causar várias lesões ao coração.

Quanto maior for a tensão arterial, mais o coração tem de trabalhar, (p.ex. o ventrículo) para bombear o sangue para a artéria principal (aorta). O músculo cardíaco tem que se adaptar a este stress crescente ao longo do tempo, e engrossa. Além do espessamento das fibras do músculo cardíaco (hipertrofia do músculo cardíaco), o tecido conjuntivo entre as fibras musculares desenvolve-se. É o chamado ”coração hipertenso”.

O músculo cardíaco fica mais denso como consequência destes processos de reconstrução. Um paciente hipertenso toma consciência disso quando ao fazer esforço aumenta a falta de ar. Outro problema é que o fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco não acompanha o seu crescimento. As pequenas artérias que percorrem o músculo cardíaco são muitas vezes constrangidas pela pressão alta (microangiopatia) de tal modo que o fornecimento de oxigénio e nutrientes às camadas mais profundas do miocárdio pode estar em risco. Por isso, o paciente com pressão alta tem muitas vezes dores no peito. Se não for tratada, a falha cardíaca crónica (insuficiência cardíaca) desenvolve-se com um alargamento dos ventrículos.

Além disso, o padrão típico de um coração hipertenso inclui muitas vezes arritmia (distúrbios do ritmo cardíaco) na forma das denominadas extrassístoles e fibrilação. A hipertensão promove também o endurecimento das artérias. (arteriosclerose) – lesão arteriosclerótica nas artérias coronárias conhecida como arteriosclerose coronária, um fator de risco importante para doenças coronárias (CHD) com constrições do peito dolorosas (angina pectoris), e como tal, para o ataque cardíaco.

Consequências da hipertensão