Sintomas de hipotensão

Na hipotensão arterial crónica, podem acontecer as seguintes queixas:

  • Maior sonolência 
  • Fraca condição física 
  • Dificuldades de concentração
  • Apatia ou depressão emocional 
  • Inquietação e distúrbios do sono
  • Falta de energia e cansaço 
  • Estado de exaustão e sensação de desmaio 
  • Fatigabilidade rápida e fraca condição física
  • Aumento de sensibilidade ao frio (principalmente mãos e/ou pés frios) 
  • Palidez cutânea  

 

Queixas circulatórias
Em caso de tensão arterial baixa, podem aparecer queixas ao nível da circulação quando se deteriora o suporte sanguíneo ao cérebro, o que, por exemplo, pode ocorrer em dias quentes e sufocantes, quando a dilatação dos vasos sanguíneos e a intensa transpiração conduzem a um défice do volume de fluidos. A tensão arterial decresce e surgem queixas como fadiga e fraqueza muscular. Estes sintomas também se podem fazer sentir após a refeição, o sangue acumula-se na região dos órgãos digestivos faltando na região do cérebro.

Tonturas
Em caso de tensão arterial baixa, podem acontecer tonturas quando as pessoas sensíveis mudam a posição do corpo muito rapidamente: por exemplo, sentar-se após estarem deitadas, ou levantar-se após estarem sentadas (hipotensão ortostática). As tonturas também podem acontecer ao baixar o corpo. O sangue aflui às pernas e ao ventre e os vasos sanguíneos não podem contrair-se com a rapidez suficiente. A tensão arterial diminui subitamente e podem aparecer os seguintes sintomas:

  • Tonturas
  • Vertigens
  • Distúrbios visuais (piscar os olhos) 
  • Dores de cabeça 
  • Tendência para desmaiar e/ou breve inconsciência (colapso ortostático) 

O corpo adota medidas contra a descida da tensão arterial: aumento da frequência cardíaca (taquicardia); os vasos sanguíneos contraem-se (palidez, mãos frias); suores e náuseas. Em geral, a vertigem passa após alguns minutos de recuperação.

Desmaios
Quando o cérebro não recebe sangue e oxigénio suficiente durante um curto período de tempo acontece um desmaio (sincope) causado por uma descida súbita da tensão arterial. Os primeiros sinais são tonturas, uma sensação de vazio na cabeça, coloração escura e tremor dos olhos. As pessoas afetadas perdem a consciência e consequentemente o controlo dos seus músculos por um curto período de tempo. Habitualmente o doente recupera rapidamente a consciência após a queda pois existe de novo retorno do sangue no coração.

No caso de pessoas saudáveis, o motivo mais frequente do desmaio é um desvio da dilatação normal dos vasos sanguíneos (síncope vasovagal). Como sequela de uma situação de stress mental (como angústia, dor ou stress, por exemplo), causa uma reação em cadeia, descendo a tensão arterial. Este tipo de síncope anuncia-se alguns segundos antes, por regra geral, através de sinais de alarme, como vertigem vacilante, visão turva, estreitamento concêntrico do campo visual, náuseas, palpitações ou suores.

Uma síncope ortostática é causada por uma deficiente regulação cerebral que conduz também a uma rápida quebra da tensão arterial.

A maioria das síncopes é inócua e termina por si própria passados alguns segundos. São possíveis lesões causadas por queda. Além disso, existe um alto risco de lesões quando a pessoa afetada perde os sentidos durante atividades desportivas ou no meio do trânsito. As pessoas que sofrem de hipotensão, e que desmaiam com frequência, devem praticar desportos menos perigosos ou tomar precauções especiais de segurança (no montanhismo, por exemplo). Consulte o seu médico se está sujeito a um maior risco no seu trabalho, ou na condução, causado por frequentes síncopes.

A maioria dos desmaios não tem consequências graves e terminam após alguns segundos. No entanto, são possíveis ferimentos causados por quedas. Além disso, existe um alto risco de lesão quando o desmaio ocorre durante atividades atléticas ou no tráfico rodoviário. Em casos raros, um desmaio é causado por uma doença grave. Quando uma síncope ocorre pela primeira vez, é essencial ir a uma consulta médica, a fim de realizar um diagnóstico extensivo.

Causas raras de síncope são: 

  • Doenças cardíacas (arritmias, enfartes ou doenças do miocárdio, por exemplo) 
  • Graves perdas de sangue (anemia) 
  • Grave défice do volume de fluidos
  • Doenças nervosas ou cerebrais (tais como lesões nervosas causadas por diabetes, por exemplo) 
  • Último trimestre de gravidez (pressão do bebé na veia cava inferior)

O que é a hipotensão?